quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

2 de Fevereiro de 1813 – A Batalha de Santa Cruz de La Sierra

Na primeira das versões da batalha de Santa Cruz de la Sierra o Duque de Monte Pedral [o jovem (apesar do título) com topete alourado Carlos Castelo de Almeida] apareceu com seu inevitável cavalo branco no morro que ladeia o Sul da cidade [que ainda não era boliviana, pois a Bolívia ainda não existia] gritou três vivas ao Brasil e liderou carga de cavalaria contra forças inimigas sete vezes superiores, ouriçadas em porco-espinho de lanças, e contra todas as possibilidades irrompeu nas linhas do inimigo e conquistou para o Brasiil a cidade e a primeira vitória na chamada Guerra da Consolidação. [Como cereja do bolo consta a história de que Napoleão lhe enviara mensagem de boa sorte, apócrifa pois a essa altura Napoleão estava a lamber as feridas da desastrosa campanha da Rússia – e o testemunho de seu desprezível puxa-saco Murat nos diz que Napoleão invejava o Duque – que também rivalizava com o corso.]

Na segunda versão [divulgada especialmente pelo Partido Anarquista Geral a partir da década de 1920] o Duque [um detestável colonialista que acreditava no dever do Brasil de conquistar o continente todo] tinha o triplo das forças dos pobres futuros bolivianos; limitou-se a dar meia dúzia de ordens indecisas; e pareceu surpreso quando lhe informaram da vitória. Ocupou-se mais em pensar em novos nomes para as ruas e riachos que via [o que explica os ainda hoje existentes rios Almeida e Carlos].

E o maior argumento: Santa Cruz de la Sierra não tem morros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário