quinta-feira, 9 de março de 2017

9 de Março de 1411 – Os Nus Seios de Helena

Helena-Godiva combatia com os longos cabelos de um preto quase azulado [e tudo o mais] ocultos sob uma armadura de liga de cobre e ferro.

Naquele dia 9 [no entanto e segundo seu único cronista minimamente confiável, o Frei Godofredo Gomide de Tereksay-André] antes da batalha diante dos três muros de sua capital [que tem versões tão variadas de seu nome que de seu nome que os cronistas optaram por escolher nenhuma] a jovem [ninguém lhe dava mais de vinte anos] Helena-Godiva preparou-se em frente a seus soldados.

Nada demais – até que tirou o peitoral de ferro e seus cabelos azulados de tão negros escorregaram a curvear os seios e tatear os bicos quase da mesma cor dos cabelos. O silêncio das tropas era quase palpável, de tão pasmoso o magnífico espetáculo – disse talvez com excessivo entusiasmo o pressuroso frei.

Difícil saber quanto durou o pasmoso e magnífico espetáculo [talvez não mais que uma dúzia de segundos] mas [de qualquer forma] o suficiente para as tropas de seu Império [na verdade e possivelmente pouco mais que um potentadozinho de terceira categoria na boca do rio Teles Pires] reagissem e expulsassem o inimigo para longe, garantindo a independência por muito tempo.

Voltando para as casas e as esposas, os soldados causaram [segundo relatos da época] uma inundação de bebês nove meses e poucos dias depois, o pode dizer mal das esposas, mas muito bem da tal princesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário